sexta-feira, 3 de agosto de 2018

Carve the Mark / Gravar as marcas, opinion(opinião)

 Ler em Português      Read in English

Olá!

Hoje trago-vos a minha opinião de um livro com várias opiniões contrárias! 
Eu fiz um book diary no IGTV em que podem ver todas as minhas reações enquanto lia este livro! Espreitem! (instagram: @banal.girl )

CYRA é a irmã do tirano cruel que governa o povo de Shotet. O dom-corrente de Cyra confere-lhe dor e poder, que o irmão explora, usando-a para torturar os seus inimigos. Mas Cyra é muito mais do que uma arma nas mãos do irmão; é resistente, veloz e mais inteligente do que ele pensa.
AKOS é filho de um agricultor e do oráculo de Thuvhe, a nação-planeta mais gelada. Protegido por um dom-corrente invulgar, Akos possui um espírito generoso e a lealdade que dedica à família é infinita. Após a captura de Akos e do irmão, por soldados Shotet inimigos, Akos tenta desesperadamente libertar o irmão, com vida, custe o que custar. Então, Akos é empurrado para o mundo de Cyra, onde a inimizade entre ambas as nações e famílias aparenta ser incontornável. Ajudar-se-ão mutuamente a sobreviver ou optarão por se destruir um ao outro?
Da autoria de Veronica Roth, Gravar as Marcas é um retrato deslumbrante do poder da amizade e do amor, numa galáxia repleta de dons inusitados.
Comecei a ler este livro um pouco reticente devido às opiniões negativas que já tinha lido. O livro surpreendeu-me imenso uma vez que as minhas expectativas não estavam muito altas. Em geral, gostei imenso do livro, no entanto, não posso deixar de referir que o livro tem algumas falhas. Estas não têm nada a ver com as que eu li: que o livro é racista ou que o livro incentiva a auto-mutilação, são outros problemas que irei referir mais tarde.
No primeiro capitulo eu estava um pouco perdida. O leitor é confrontado com todo um diferente e novo mundo e torna-se complicado perceber e entrar na história imediatamente. À medida que a ação decorre vamos percebendo as características e regras do mundo sendo mais fácil entrar na história.
Quanto às personagens, gostei imenso delas. A minha favorita foi, sem dúvida, Cyra. Apesar de crescer ao longo do livro é muito fiel a si própria, sabe quem é, o que fez de mal, no entanto, mantêm-se sempre uma personagem forte e determinada. Não tem daqueles momentos chatos em que se culpabiliza por tudo e faz uma cena "estavam todos melhores sem mim" , "eu não presto" ou "eu não mereço estar viva". 
A autora criou um mundo bastante interessante. Adorei ler sobre a forma como o mesmo funcionava e as suas características.
Como já referi, detetei algumas lacunas neste livro. Existem algumas coisas que acontecem no livro que são um pouco forçadas, como por exemplo, o primeiro momento romântico. 
Neste livro existem alguns pormenores que parecem ter sido inspirados noutros livros. Por exemplo, o facto de eles se marcarem quando matam alguém fez-me lembrar imenso de Quimera de Praga (Daughter of Smoke and Bone). Neste livro eles marcam na pele todas as vidas que tiraram. Quanto aos poderes das personagens principais, que não vou dizer quais são para não dar spoilers, são sem dúvida muito idênticos a poderes que existem em Shatter Me.  
Estes dois aspetos fizeram-me um pouco de "impressão" uma vez que senti que o livro não era tão original. Senti que já tinha lido aquilo noutro lado.
Apesar dos pequenos problemas, gostei bastante de ler este livro e quero imenso ler a continuação! 

E tu, já leste este livro? O que achaste do mesmo?


1 comentário:

  1. Ainda não li, mas está na minha lista. Já li as mais variadas opiniões, mas no geral as pessoas não têm gostado muito

    ResponderEliminar